Juiz Odilon faz reunião para 1000 pessoas, mas somente 60 eleitores aparecem

12/08/2018 11h09 - Atualizado em 12/08/2018 11h09

Agenda do candidato ao governo em Dourados foi um verdadeiro fiasco, com reuniões sem público e nem mesmo com a presença de secretário da prefeita Délia Razuk e com vice do município o ex-juiz consegue empolgar os douradenses.

Se depender dos apoiadores douradenses, o juiz aposentado Odilon de Oliveira (PDT) vai continuar desfrutando da aposentadoria de marajá como ex-magistrado da Justiça Federal. A agenda que o amigo do bicheiro Jerson Domingos realizou quarta e quinta-feira em Dourados foi um indicativo das dificuldades que o ex-juiz vai encontrar na campanha pelo interior de Mato Grosso do Sul. A sensação é que o ex-magistrado estava mais preocupado em tentar emplacar a candidatura do filho Odilon de Oliveira, que é vereador em Campo Grande, para deputado federal do que em angariar apoio para a própria candidatura. Odilon Filho, por exemplo, avançou sobre lideranças que já estavam acertadas com o deputado federal Dagoberto Nogueira, presidente da Executiva Estadual do PDT e que é candidato a mais um mandato.

Apesar dos esforços do secretário municipal de Comunicação, Albino Mendes, um dos coordenadores da campanha vitoriosa de Délia Razuk e ex-presidente da Executiva Municipal do Partido da República, a reunião na noite de quarta-feira, na residência localizada à Rua Cornélia de Souza, nº 87, Jardim Mato Grosso, foi prestigiada por poucos gatos pingados. O encontro com representantes rotarianos, da OAB e do Sindicato do Comércio no Rotary Clube Guaicurus, também na noite de quarta-feira, foi outro fiasco que chegou a dar dó.

O périplo do ex-juiz pelos veículos de comunicação durante toda quinta-feira não repercutiu, com as matérias rendendo pouco justamente em razão da falta de propostas do pedetista. O balde d’água foi jogado na agenda organizada na noite de ontem pelo servidor nomeado Junior Bitencourt, no Salão de Festa dos Vicentinos, localizado à Rua Antônio Luiz Marra, 2475, no Izidro Pedroso. Na agenda divulgada pela coordenação de campanha de Odilon de Oliveira a informação era que o encontro no salão dos Vicentinos iria reunir 1.000 pessoas ávidas por ouvir o que o pedetista teria a dizer, mas apenas 60 eleitores apareceram.

O fracasso da agenda de Odilon de Oliveira em Dourados comprova a péssima escolha que o pedetista fez na seleção do vice. Se tivesse moral entre a própria comunidade evangélica que comanda, o bispo da Igreja Sara Nossa Terra, Marcos Antônio Camargo Vitor, antigo aliado de figuras exponenciais presas e denunciadas pelas Operações Owari e Uragano, da Polícia Federal, teria levado público, pelo menos, no encontro de ontem à noite.

Outro erro da coordenação da campanha de Odilon de Oliveira foi excluir os pedetistas de Dourados da organização da agenda de dois dias na cidade. O vereador Romualdo Ramin, presidente da Executiva Municipal do PDT, não foi convidado para definir as reuniões e apareceu aos encontros apenas para marcar território. O secretário municipal de Saúde, Renato Vidigal, um dos principais incentivadores da candidatura própria do PDT ao governo do Estado, não recebeu um único telefonema convidando para a agenda de Odilon de Oliveira.

O entendimento das lideranças políticas de Dourados é que com Albino Mendes participando das agendas de campanha do candidato Odilon de Oliveira, mesmo com o PR coligado com o MDB da candidata turista Simone Tebet, o governo municipal de Dourados está fazendo jogo duplo. Uma ala da prefeitura apoia um candidato, outra ala apoia outro e uma terceira ala fica com outra candidatura, ou seja, a regra é acender uma vela para cada santo.

 
foto do google
Foto do google
Template inválido [/var/www/bimboo/components/content_organizador/news/.html]

— Fonte: RB News